(11) 97522-6386

Clínica de tratamento do crack: saiba como funciona

Clínica de tratamento do crack: saiba como funciona

Você que está lendo este artigo certamente busca orientações no tratamento do crack — seja para ajudar um conhecido, seja para cuidar do próprio filho. Assim, só quem convive com um dependente químico sabe a dor que é enfrentar o problema do vício, que parece não ter solução. Por isso, uma clínica de tratamento do crack se torna uma alternativa.

Contra o crack, em específico, a batalha é longa e se inicia ainda dentro de casa. Isso porque é importante a família observar possíveis alterações no comportamento do usuário e sintomas físicos causados pelo efeito da droga.

Então, a busca por ajuda profissional vem após o “diagnóstico” familiar. Nos centros de recuperação, há equipes especializadas que sabem conduzir o tratamento para que o dependente químico e sua família voltem a ter uma vida normal. Além disso, conforme o grau de dependência, é possível seguir o tratamento na clínica sem que a pessoa pare as atividades diárias, que pode continuar estudando e trabalhando até a completa reinserção social.

Dessa forma, você, que está preocupado com algum parente, vai encontrar, neste artigo, os indícios de que a pessoa realmente está usando a droga, os efeitos causados no organismo do usuário, além dos principais tratamentos do crack e como você pode ajudar. Portanto, não desanime e boa leitura!

Por que o crack?

clínica de tratamento do crack

Quem desconfia ou tem um filho usuário de crack, que está em busca de informações de clínica do tratamento do crack, em algum momento se perguntou o motivo de ele ter optado por essa droga. Assim, a resposta pode estar na facilidade de encontrá-la e no preço acessível a qual é vendida.

Dessa maneira, pesquisas recentes apontam que 20,7% dos municípios brasileiros tenham sérios problemas com drogas ilícitas. Com isso, o crack está entre as mais consumidas no Brasil e no mundo, justamente por ser uma das mais baratas.

Isso porque ela é resultado de uma mistura de pasta de cocaína, bicarbonato de sódio e água. Então, por conta do bicarbonato, alguns pedaços da cocaína racham - daí a origem do nome “crack”.

O composto, então, é aquecido e o líquido se separa do sólido. Após isso, o líquido vai ser descartado e o sólido vira uma pedra pronta para ser consumida com o auxílio de um cachimbo. Ainda assim, para dar mais consistência, acredite, muitos usuários adicionam à mistura cimento, cal, querosene e acetona.

Quais os efeitos no organismo?

A sensação de bem-estar é imediata no organismo de quem consome crack e dura cerca de dez segundos. Desse modo, como atinge diretamente o sistema nervoso, o usuário logo sente:

  • euforia;
  • excitação;
  • tremores;
  • o batimento cardíaco acelerado;
  • as pupilas dilatadas;
  • falta de sono e de apetite.

Então, em longo prazo, os efeitos noviços à saúde realmente são devastadores. Dessa forma, os neurônios são prejudicados, ocorrem alucinações, delírios, convulsões, problemas respiratórios, como tosse constante e congestão nasal, dores de cabeça, tonturas, desmaios, riscos de infarto e de hemorragia cerebral, entre outros sintomas.

Especialistas em drogas afirmam que o crack causa rápida dependência psicológica. Assim, a abstinência do usuário costuma ser sentida já na quarta vez de uso, o que faz a pessoa querer cada vez mais o entorpecente e tenha dificuldade de parar.

Quais são os indícios de uso?

Mudanças bruscas no comportamento são algumas evidências de quem usa a droga. Com isso, a perda de apetite é uma das mais fáceis de serem notadas, pois a pessoa fica magra com facilidade.

Além disso, outros indícios são a insônia, que causa irritabilidade, e a aparência física dos lábios, língua e rosto. Eles ficam mais escuros ou até queimados devido ao contato direto da chama do fogo ao ascender o cachimbo.

Ah, e os usuários do crack também costumam se isolar. Evitam o convívio com amigos e deixam de frequentar a escola, o trabalho ou reuniões de família.

Como ajudar o viciado?

Por mais que seja difícil para a família, reconhecer o problema é a primeira conduta a ser tomada. Dificilmente o usuário tem plena consciência de que precisa de ajuda, tampouco se considera um viciado. Dificilmente você vai saber quanto tempo a pessoa já usa a droga, a menos que ela fale, o que talvez não seja tão simples.

Nesse momento, o apoio da família (leia-se pai, mãe, irmãos e companheiro) é imprescindível. Tente, por exemplo:

  • observar, com atenção, alterações no comportamento, como agressividade ou isolamento;
  • tentar uma aproximação carinhosa e sem cobranças;
  • estimular um diálogo;
  • buscar ajuda em clinicas de reabilitação e conversar com as equipes.

Como funciona o tratamento do crack?

clínica de tratamento do crack

Vamos ser bem sinceros: costuma ser bastante complexo, tendo em vista que envolve uma equipe de médicos, psicólogos, enfermeiros, terapeutas, entre outras especialidades, a família e, claro, muita força de vontade do usuário. Assim funciona uma clínica de tratamento do crack.

Por isso, nos centros de recuperação, o processo se diferencia pelo grau de dependência, de abstinência e do estado geral de saúde do paciente. Então, antes de tudo, ele passa pela desintoxicação, devendo se manter longe do crack.

Como as crises de abstinência são muito fortes, especialmente no início do tratamento, são usadas medicações que ajudam a reduzir a ânsia pelo consumo da droga e amenizar os efeitos da abstinência, como antipsicóticos e anticonvulsivos.

Com o passar do tempo, o uso de remédios diminui. Dessa maneira, sobra espaço, então, para terapias e o tratamento psicológico, criando condições para que o dependente consiga viver sem a droga.

Quais são os principais tipos de tratamento?

Existem várias formas pelas quais funciona uma clínica de tratamento do crack. Portanto, como demonstrei acima, é algo complexo, que envolve uma série de profissionais. Veja abaixo algumas das principais atuações.

Internação total na clínica de tratamento do crack

Quando a pessoa sai de casa e larga tudo para viver em função da droga é necessário — e urgente — a internação total. Em casos mais agressivos, especialistas concordam que seja feita a internação compulsória.

Apesar de o método gerar controvérsias por ser considerado um tanto agressivo, por meio dele os médicos emitem um laudo sobre a saúde debilitada do paciente e entra-se com pedido na justiça para a internação. Quando realizada, a pessoa recebe cuidados diários durante 24 horas, por, pelo menos, três meses — podendo estender esse período por até um ano.

Internação parcial na clínica de tratamento do crack

Já na internação parcial, o paciente passa parte do dia na clínica. No período em que ele está sob os cuidados dos especialistas, há atividades de reabilitação e participação em grupos de apoio.

Tratamento externo na clínica de tratamento do crack

Apesar de ser o mais livre, o tratamento externo requer atenção redobrada. O método exige do usuário a participação em grupos de apoio, como os narcóticos anônimos, e garante acompanhamento de psicólogos da instituição. É indicado para casos menos graves e para quem já passou por um longo período de internação.

Quanto tempo dura o tratamento?

O usuário de crack precisa de 45 a 90 dias para o processo de desintoxicação e de mais 90 dias para desenvolver mecanismos capazes de evitar o consumo da droga. O tempo de internação numa clínica de tratamento do crack varia conforme as condições do paciente e a evolução no tratamento.

Em casos em que o dependente ficou muito comprometido física e/ou mentalmente, envolveu-se com problemas do tráfico, sofreu de depressões, esquizofrenias ou bipolaridades em fases agudas, talvez seja necessário um maior período de internação.

O que é a Política de Redução de Danos?

Uma estratégia apoiada por mais de 90 países, inclusive pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a Política de Redução de Danos consiste em manter o uso do crack ou substituí-la por uma droga mais “suave”, sob o acompanhamento de profissionais. Assim, a justificativa é que, o efeito da droga pode ser reduzido, caso o indivíduo perceba que está em lugar seguro.

Quais as chances da reabilitação numa clínica de tratamento do crack?

Em todos os casos, há grandes chances de reabilitação numa clínica de tratamento do crack. Não é tão difícil se deparar com depoimentos de quem já passou pelo problema e hoje leva uma vida normal, trabalhando e com uma família formada. Muitos ex-usuários de drogas, inclusive, se empenham em ajudar companheiros que lutam todos os dias para se livrar do problema.

Como já comentamos, a batalha é árdua e o caminho é longo. Tenha a certeza de que, ao final do tratamento, a pessoa estará preparada para enfrentar as dificuldades existentes no período pós-internação — ainda que a vigília de parentes e amigos contra uma possível recaída seja necessária e funcione quase que como um compromisso eterno.

O tratamento do crack vai ser uma jornada complexa. Não desanime, nem sofra sozinho. A vontade de viver e o amor que você tem pelo seu filho e/ou outra pessoa próxima deverão prevalecer. Procure ajuda, converse com especialistas e peça orientação. Juntos será bem mais tranquilo enfrentar o problema que, a princípio, não havia solução!

Explorando os Benefícios dos Três Tipos de Internação: Voluntária, Involuntária e Compulsória 
 

A internação é uma medida crucial em contextos médicos e de saúde mental, muitas vezes necessária para proporcionar cuidados intensivos a pacientes que enfrentam condições agudas ou graves. Existem três tipos principais de internação: voluntária, involuntária e compulsória. Cada uma dessas formas de internação possui seus próprios benefícios e finalidades específicas, destinadas a garantir o tratamento adequado e o bem-estar dos pacientes.  

 

1- Internação Voluntária:  

internação voluntária ocorre quando um paciente decide buscar tratamento por conta própria e concorda em ser admitido em uma instalação de saúde. Os benefícios dessa forma de internação incluem:  

  • Autonomia e Empoderamento: Os pacientes têm o poder de tomar decisões sobre sua própria saúde e bem-estar, o que pode promover um senso de controle e autonomia durante o processo de tratamento.  
  • Colaboração no Tratamento: Quando os pacientes optam voluntariamente pela internação, é mais provável que se comprometam ativamente com o plano de tratamento, participando das terapias e seguindo as orientações médicas.  
  • Redução do Estigma: Ao escolher buscar tratamento por vontade própria, os pacientes podem sentir menos estigma associado à doença mental ou à necessidade de cuidados médicos, o que pode encorajá-los a buscar ajuda mais cedo.  
     
     

2- Internação Involuntária:  

internação involuntária ocorre quando um paciente é admitido em uma instalação de saúde sem o seu consentimento, geralmente devido a uma avaliação médica que determina que ele representa um risco significativo para si mesmo ou para os outros. Os benefícios dessa forma de internação incluem:  

  • Proteção e Segurança: Em situações em que um paciente não está em condições de tomar decisões por si mesmo, a internação involuntária pode ser necessária para protegê-lo de danos ou perigos iminentes.  
  • Acesso a Cuidados Médicos: Para pacientes que se recusam a buscar tratamento, a internação involuntária pode fornecer acesso imediato a cuidados médicos e psiquiátricos essenciais, salvando vidas e ajudando a estabilizar condições de saúde graves.  
  • Avaliação Adequada: A internação involuntária permite uma avaliação completa da condição do paciente por profissionais de saúde, garantindo que ele receba o tratamento mais apropriado e individualizado.  
     
     

3- Internação Compulsória:  

internação compulsória é o tipo mais restritivo de internação, ocorrendo quando um paciente é admitido em uma instalação de saúde contra a sua vontade e sem revisão ou autorização prévia. Os benefícios dessa forma de internação incluem:  

  • Intervenção em Crises Graves: Em situações de emergência ou crises de saúde mental que representam um risco iminente para o paciente ou para os outros, a internação compulsória pode ser necessária para garantir uma intervenção rápida e eficaz.  
  • Proteção da Comunidade: Em casos em que um paciente representa uma ameaça clara e imediata para a segurança pública, a internação compulsória pode ajudar a proteger a comunidade contra comportamentos perigosos ou violentos.  
  • Estabilização e Tratamento Intensivo: A internação compulsória permite que os pacientes recebam tratamento intensivo e monitoramento constante, ajudando a estabilizar condições de saúde mental agudas e a prevenir danos a si mesmos ou aos outros.  
     
     

Em resumo, os diferentes tipos de internação - voluntária, involuntária e compulsória - desempenham papéis importantes na prestação de cuidados médicos e de saúde mental. Embora cada forma de internação tenha seus próprios benefícios e implicações legais, todas as formas de internação sejam realizadas de maneira ética, respeitando os direitos e a dignidade dos indivíduos, e priorizando sempre o bem-estar e a recuperação dos pacientes.  

  

Auxílio-Doença para Dependentes Químicos:  

O auxílio-doença é um benefício previdenciário oferecido pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) no Brasil, destinado a trabalhadores que ficam temporariamente incapacitados de realizar suas atividades laborais devido a problemas de saúde. Quando se trata de dependência química, o acesso ao auxílio-doença pode oferecer uma série de benefícios e direitos importantes:   
 

  1. Acesso a Tratamento Médico e Terapêutico: auxílio-doença proporciona ao dependente químico a oportunidade de se afastar temporariamente do trabalho para buscar tratamento médico e terapêutico adequado para sua condição. Isso pode incluir internação em clínicas de reabilitação, consultas com profissionais de saúde mental, participação em grupos de apoio, entre outros.
     
     
  2. Estabilidade Financeira durante o Tratamento: Ao receber o auxílio-doença, o dependente químico pode contar com uma fonte de renda temporária enquanto se dedica ao seu processo de recuperação. Isso ajuda a reduzir o estresse financeiro e permite que o indivíduo se concentre totalmente em sua saúde e bem-estar, sem se preocupar com questões financeiras imediatas.
     
     
  3. Proteção contra Desemprego e Perda de Renda: Em muitos casos, a dependência química pode afetar negativamente o desempenho no trabalho e até mesmo levar à perda do emprego. O auxílio-doença oferece uma rede de segurança para os trabalhadores, protegendo-os contra a perda de renda enquanto estão temporariamente incapacitados de trabalhar devido à sua condição de saúde.
     
     
  4. Manutenção dos Direitos Previdenciários: Durante o período em que estiver recebendo o auxílio-doença, o dependente químico continua contribuindo para o sistema previdenciário e mantém seus direitos previdenciários intactos. Isso inclui a contagem do tempo de afastamento como período de contribuição para a aposentadoria, além da manutenção de outros direitos, como o acesso a benefícios por incapacidade permanente, quando aplicável.
     
     
  5. Apoio na Reintegração ao Trabalho: Após receber tratamento e se recuperar, o dependente químico pode retornar ao trabalho gradualmente, com o apoio de programas de reabilitação profissional oferecidos pelo INSS. Esses programas ajudam a reintegrar o indivíduo ao mercado de trabalho de forma segura e sustentável, fornecendo orientação e apoio para lidar com desafios relacionados ao emprego. 

    

Em resumo, o auxílio-doença oferece uma série de benefícios e direitos importantes para os dependentes químicos, ajudando a garantir acesso ao tratamento, estabilidade financeira durante o afastamento do trabalho, proteção contra desemprego e perda de renda, manutenção dos direitos previdenciários e apoio na reintegração ao trabalho após a recuperação.   

  

Benefícios da Internação  

A internação em uma clínica de reabilitação para dependência química de álcool e drogas pode oferecer uma série de benefícios significativos para os indivíduos que lutam contra esses problemas. Aqui estão alguns dos benefícios mais importantes:  

  

Ambiente Controlado e Seguro: 

Clínicas de reabilitação oferecem um ambiente seguro e controlado, afastado de influências externas que possam desencadear o uso de substâncias.  

Esse ambiente proporciona uma pausa no ciclo de abuso de substâncias, permitindo que os pacientes se concentrem totalmente em sua recuperação.  

  

Tratamento Multidisciplinar e Personalizado: 

As clínicas de reabilitação geralmente contam com equipes multidisciplinares de profissionais de saúde, incluindo médicos, psicólogos, terapeutas e conselheiros.  

Essas equipes trabalham juntas para criar planos de tratamento personalizados, abordando as necessidades específicas de cada paciente, como desintoxicação, terapia individual e em grupo, educação sobre dependência, entre outros.  

  
  

Desintoxicação Segura e Supervisionada: 

Muitas vezes, a primeira etapa do tratamento para a dependência química é a desintoxicação, na qual o corpo se livra das substâncias tóxicas.  

Nas clínicas de recuperação, a desintoxicação é realizada de forma segura e supervisionada por profissionais de saúde, que podem administrar medicamentos para ajudar a aliviar os sintomas de abstinência e garantir a segurança do paciente.  

   

Aprendizado de Habilidades para a Vida: 

- Durante a internação, os pacientes têm a oportunidade de aprender habilidades práticas e estratégias de enfrentamento para lidar com desafios do dia a dia sem recorrer ao uso de substâncias.  

- Isso pode incluir habilidades de comunicação, resolução de problemas, gerenciamento de estresse e prevenção de recaídas.  

   

  

Suporte Emocional e Social: 

- A internação em uma clínica de reabilitação oferece um ambiente de apoio onde os pacientes podem se conectar com outras pessoas que enfrentam desafios semelhantes.  

- O suporte emocional e social dos colegas e da equipe de tratamento pode ser incrivelmente reconfortante e motivador durante o processo de recuperação.  

  

Prevenção de Recaídas: 

  

- As clínicas para dependentes químicos fornecem estratégias e ferramentas para ajudar os pacientes a identificarem e evitar gatilhos de recaída.  

- Além disso, oferecem apoio contínuo após a alta, incluindo planos de acompanhamento e recursos de suporte para ajudar os pacientes a manterem-se sóbrios e saudáveis após deixarem a clínica.  

Em resumo, a internação em uma clínica de reabilitação para dependência química oferece um ambiente seguro e estruturado, com métodos de tratamento personalizado, suporte emocional e social, e ferramentas para ajudar os pacientes a alcançarem e manterem a sobriedade a longo prazo. Esses benefícios são fundamentais para promover uma recuperação bem-sucedida e uma vida saudável e feliz sem o uso de substâncias. 

 

Para mais informações sobre clínica de tratamento do crack, e de outras drogas, entre em contato com nossos especialistas. Eles estão prontos para indicar o melhor caminho para sua família.

Somos especializados no encaminhamento e tratamento de usuários de drogas. Entre em contato com a Instituição Viver sem Drogas para conversarmos mais!

Pra conversar com um especialista clique aqui! 

As informações do post foram úteis? Se você tem algum caso de dependência química na família ou desconfia disso, temos uma infinidade de materiais para auxiliá-lo. Para isso, siga nosso FacebookTwitter, e LinkedIn e tenha acesso a outros conteúdos que possam ajudar.

Este site usa cookies do Google para fornecer serviços e analisar tráfego.Saiba mais.